Em live, presidente da Câmara faz alerta sobre a situação da covid-19 em Marabá

A Escola do Legislativo de da Câmara Municipal de Marabá (ELMAR) realizou nesta quarta-feira, 6 de maio, mais uma Live (transmissão ao vivo). Dessa vez, o convidado foi o presidente da Câmara Municipal de Marabá, vereador Pedro Corrêa, que conversou com a diretora da ELMAR, Gabriela Silva, e respondeu perguntas de internautas.
A entrevista teve como tema central o combate à pandemia da covid-19 e as ações que o Poder Legislativo de Marabá vem adotando durante esse período de isolamento social e no enfrentamento ao coronavírus.
Pedrinho Corrêa, como é conhecido o presidente da Câmara, disse ser fundamental a utilização de máscara e que, inclusive, já foi decretada pelo Governo do Estado e Prefeitura de Marabá a obrigatoriedade da utilização por parte da população.
O presidente da Câmara destacou que durante esse período de isolamento social, o Legislativo tem tomado algumas medidas internas. Ele salientou que desde o dia 19 de março as atividades externas e internas, inclusive a cedência dos espaços da Câmara, está suspensa. “Estamos realizando as sessões ordinárias e reuniões de Comissões de forma remota, e os servidores, também, estão trabalhando desta forma”.
O vereador ainda frisou que nesse período a Câmara encaminhou ofício para a Semed (Secretaria de Educação Municipal de Marabá) cobrando que o kit de alimentação fosse endereçado aos alunos da rede municipal, e para a 4ª URE (Unidade Regional de Educação), para a viabilização do vale alimentação para os estudantes do ensino médio, visto que é de grande importância para as famílias e crianças de Marabá. “Da mesma forma, oficiamos à Mineradora Vale, que estava ajudando outros município e Marabá não havia sido atendida. Após nossa intervenção, a mineradora já fez duas entregas de insumos para Marabá, como óculos e máscaras, que são importantes para os servidores das unidades de saúde do município”. Pedro Corrêa revelou que a Câmara também entrou em contato com a mineradora Buritirama, requerendo cabines de desinfecção para as unidades de saúde.
O presidente ainda abordou sobre o Comitê de Crise do Município, em que a Câmara participa das reuniões e decisões de medidas de enfrentamento ao coronavírus. “Avaliamos propostas para que possamos melhorar o enfrentamento ao vírus. Percebo que Marabá ainda está com o fluxo muito grande de pessoas nas ruas, e o isolamento está baixo em relação ao recomendados pela Organização Mundial de Saúde, que é de 70%”.
O presidente relatou o que observou em visita ao Hospital Municipal de Marabá e ao Hospital de Campanha. “Os profissionais de saúde estão assustados com o que têm visto. A situação é muito complicada. Os 119 casos que aparecem na estatística, são bem menores que a realidade. Precisamos de 40 leitos, pelo menos, de UTI, no Hospital de Campanha, visto que ele atende toda uma região de mais de 1.200.000 pessoas, e não apenas as de Marabá”.
Durante a entrevista, muitos internautas perguntaram sobre a questão do isolamento social. Pedro voltou a opinar que está abaixo do pretendido, e que a PMM está agindo e orientando para que se melhore os índices antes de a situação se agravar.  Em seguida, o vereador foi questionado sobre a instalação de lockdown, que tem sido decretada em algumas cidades. Ele respondeu que essa é uma medida dura, mas, necessária, visto que algumas cidades estão com o nível de contágio muito grande. “Talvez pela nossa subnotificação, por falta de teste, Marabá ainda não tenha entrado no lockdown. Temos de analisar as decisões de forma científica, com uma análise técnica e com os profissionais da saúde”, disse o parlamentar.
O presidente da Câmara pediu e chamou a atenção da população para a gravidade da doença. “De segunda para terça, tivemos 600 mortes oficias no país. Isso é um problema grave que devemos levar a sério. Nenhum município e nem as grandes potências do mundo estavam preparadas para essa situação. Nesse momento, o foco é o combate ao coronavirus”.
Por fim, Pedrinho falou sobre o Concurso Público da Câmara Municipal de Marabá, observando que a data para realização das provas está paralisada, a partir de uma análise conjunta do Legislativo e da Fadesp, em razão da pandemia. “A CMM planejou que neste mês de maio estaria empossando os 27 aprovados no concurso para estarem ajudando o Poder Legislativo, o que, infelizmente, não foi possível. Em comum acordo, o concurso ficará suspenso, pelo menos até o dia 30 de maio. A partir daí, estaremos fazendo uma nova análise sobre a questão”.