Vereadores lamentam mortes na Estrada do Rio Preto e lembram “cobrança incessante”

A Sessão Ordinária desta terça-feira, 3 de setembro, foi polarizada por um assunto, praticamente: as condições precárias da estrada do Rio Preto, onde duas jovens perderam a vida em um trágico acidente ocorrido no último domingo, 1º de setembro.

Os vereadores da chamada bancada rural (Mariozan, Thiago Koch e Alecio Stringari) usaram a palavras e fizeram discurso firme, rememorando a grande quantidade de vezes que buscaram as autoridades do município, estado e até mesmo do governo federal para melhorar as condições de trafegabilidade naquela estrada, por onde transitam diariamente centenas de caminhões, a grande maioria carregada de manganês, minério abundante na região.
Mariozan Quintão disse que era com muita tristeza que usava a tribuna para falar sore a estrada do Rio Preto, citando os óbitos ocorridos. “Espera, com dor no coração, que as autoridades voltem sues olhos para a região do Rio Preto. Espero que a reunião de hoje entre o prefeito Tião Miranda, a Buritirama e Câmara tenha êxito e saiamos com algo de concreto para resolver a questão da poeira, corte de ladeiras e recuperação da estrada. Pedimos ainda a federalização da mesma pela bancada federal”, clamou.
Thiago Koch advertiu que nesse primeiro momento não há condições de aceitar o que acontece, com a poeira está insuportável, provocando muitos riscos para quem trafega pela estrada. “É preciso isso mesmo, parar para dialogar e resolver a questão.
Estivemos com o prefeito e ele convidou a Buritirama para debater algumas medidas com a empresa, recuperar os primeiros 35 km, limitar o horário de trânsito desse transporte. A população está certa, tem que fechar para nos sentarmos e verificarmos a melhor forma de realizar as melhorias que precisamos. Nossa pauta principal é o asfalto, mas não depende da gente. Nossa luta é pela manutenção das vidas, melhorias da estrada e da qualidade de vida das pessoas”.
Alécio Stringari pediu um voto de pesar do Poder Legislativo em favor das famílias das moças que perderam suas vidas. Disse que por mais que tenha ocorrido nas redes sociais difamação aos vereadores, considera que a Câmara realiza sempre seu trabalho em prol do povo. “Estamos reclamando há tempos sobre a situação como comprovado por documentos. Apresentamos uma demanda para a Buritirama e pedimos pressa. A Buritirama traz emprego e renda para a região, mas não cumpriu o que prometeu aos vereadores que faria para que situações como esta tivesse sido evitada, como corte de ladeiras, número de caminhões pipas em maior quantidade, caminhões com descarga para baixo, melhorar a sinalização e realizar fiscalização de motorista. Infelizmente nada disso ocorreu. A empresa que fazia a manutenção prestava um bom serviço, mas estranhamente o contrato foi reincidindo e a estrada ficou sem manutenção por 90 dias. O resultado é esse vemos agora”, desabafou.
Mas Alécio advertiu que não é contra ou está perseguindo a empresa: ela tem que fazer pelo menos o dever de casa. A situação do Rio Preto, reforça, é crítica mesmo, e só quem vive lá sabe da situação da estrada e da população.
Por outro lado, o vereador que vive na Vila Capistrano de Abreu lamentou que haja pessoas que usem a tragédia ocorrida no domingo para se promover de forma oportunista. “Parabenizo o vereador Miguel, quando falou sobre a situação da estrada pelo que já vinha avisando. Naquele momento que fizemos um documento e encaminhamos para mais de 30 órgãos com informações sobre a situação da estrada e os problemas enfrentados pelo povo na região do Rio Preto, estávamos cumprindo nosso papel”, asseverou.
O presidente da Câmara, Pedro Corrêa, disse que acompanhou, desde o mandato passado, a luta do vereador Alecio Stringari em busca de melhorias para a estrada do Rio Preto, entre outras demandas para a região.
Lembrou que eles colocaram na pauta o asfaltamento da estrada do Rio Preto junto ao governador Helder Barbalho, durante o Governo Itinerante em Marabá, em abril deste ano. “Fizemos um documento para todas as bandas e esferas de poder sobre a questão da estrada e relatamos os problemas alarmantes. Sei que ele e os demais cumpriram seu papel com muita honra”, reconheceu.
Ontem, os vereadores foram até o local da manifestação, na Vila Três Poderes e as lideranças apresentaram afirmaram que não vão liberar a passagem de veículos se não houver algumas propostas pelo melhoramento da estrada. “A população está muito revoltada. Viemos de lá entendendo o seguinte: ou a gente avança em alguma situação, ou a estrada ficará fechada por mais tempo”.
O vereador Miguelito disse que a Buritirama é uma empresa irresponsável e que há muito tempo os vereadores vêm falando sobre a situação. “Ela é responsável pelo que aconteceu, sim. Os maldosos aí foram falam que nós somos os executores. A Câmara debate e busca soluções. Os vereadores que moram na região correm sério risco de vida. Isso é um absurdo sobre a estrada”.